Pecuária no Brasil

Pecuária brasileira

O Brasil é considerado um país industrializado, ao mesmo tempo em que ocupa um dos primeiros lugares em produção pecuária e agrícola. A Pecuária, atividade pertencente ao setor primário da economia, é uma das principais áreas em termos de produção de riqueza no país, estando cada vez mais interligada ao meio industrial e mais dependente das transformações nas técnicas e nos recursos tecnológicos.

Além de abastecer o mercado interno a pecuária exerce um grande destaque nas exportações brasileiras. É fato que a pecuária no Brasil é exemplo de produção, a carne de bovino brasileira é considerada uma das melhores do planeta e a criação de gado leiteiro é exemplo para vários países, mas para chegar nesse patamar, foi necessário um trabalho que durou e dura até hoje.

Em grande parte a pecuária brasileira está ligada à criação de gado (bovinos), embora seja considerada também a produção de suínos, aves, equinos, ovinos, bubalinos. Esse ramo tem como responsabilidade principal disponibilizar para o mercado alimentos como carne, leite e ovos.

A Pecuária Brasileira:

É considerada uma das mais produtivas em todo o mundo pois se destaca como  exportador de carne bovina e também na criação de aves.

A criação de bovino no Brasil concentra-se, atualmente, em grandes propriedades, mas pauta-se preferencialmente na produção de carne, haja vista que esse produto é o mais valorizado e o mais voltado para a exportação. A produção de leite e seus derivados é mais destacada em propriedades de pequeno e médio porte, uma vez que o seu mercado é geralmente regionalizado.

A atividade pecuária está dividida em dois tipos, a pecuária de corte e de leite, ambas podem ser desenvolvidas de duas formas, a pecuária intensiva e a extensiva.

Pecuária de corte consiste na criação de animais com o objetivo de fornecer carne. Na produção extensiva, os animais são criados soltos em grandes áreas, alimentam-se de pastagens e não recebem maiores cuidados, em contrapartida, na intensiva, os animais são manejados em pequenos recintos com dieta à base de rações balanceadas específicas para engorda ou leite. A pecuária de leite está ligada à produção leiteira e derivados.

A avicultura – criação de aves – destaca-se na produção de carne de frango e de alguns outros animais, configurando-se como um dos setores em que o Brasil possui o maior destaque no comércio internacional. O efetivo do rebanho de aves é o maior da América Latina e um dos maiores do mundo, perdendo apenas para alguns poucos países asiáticos, com destaque para a Rússia.

Esse setor encontra-se intensamente subordinado à indústria, tendo a sua produção controlada por grandes empresas, tanto no crescimento do estoque quanto nos suprimentos utilizados durante a criação dos animais. Portanto, a indústria lucra com a pecuária tanto na industrialização dos seus produtos quanto no fornecimento de todo o aparato utilizado na criação, como chocadeiras, estufas, ração, medicamentos, nutrientes e muitos outros.

A história da pecuária brasileira

Se iniciou nos estados do Nordeste durante o século XVI, mais precisamente, na capitania de São Vicente para onde foram trazidas cabeças de gado vindas de Cabo Verde. Em 1550, Tomé de Sousa trouxe novo carregamento, desta vez, para Salvador, de onde a pecuária se estenderia para outras regiões do Nordeste, principalmente Pernambuco, Maranhão e Piauí.

De início a criação de gado era apenas uma atividade complementar nas fazendas agropecuárias e o principal uso dos animais era como tração nos engenhos. Mas, a partir do século XVII, e o crescimento tanto de uma quanto de outra atividade, a criação de gado foi se expandindo e se tornando uma atividade independente.

Como a pecuária exigia muito espaço para a pastagem dos animais houve a necessidade da expansão para o interior. Foi aí que a atividade pecuária se tornou um fator importantíssimo da colonização da região centro-oeste e interior do nordeste brasileiro. É nesse período que a figura do vaqueiro passa a ter uma maior importância.

Responsáveis por cuidar da boiada, os vaqueiros foram os principais desbravadores de todo interior nordestino, com destaque para a Bahia e Pernambuco. Estes homens rudes, geralmente ex-escravos fugidos dos engenhos seguiam sempre em torno dos rios onde eram instalados os currais. Em 1614 foi realizada a primeira feira de gado, na Bahia, a partir daí as feiras se tornariam a principal ponte entre as duas atividades, a pecuária e agricultura.

Então, na primeira metade do século XVIII a pecuária bovina se estende para o sul do país onde encontra imensas pastagens naturais e se torna a principal atividade econômica da região por muito tempo.

Atualmente as regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste são os principais produtores de bovinos, sendo o Nordeste o principal produtor de caprinos e muares. Os ovinos predominam no Sul e os suínos e aves no Sul e Sudeste.

As fazendas brasileiras, a partir da segunda metade do século XX, passou por um amplo processo de modernização, resultante da industrialização intensa e urbanização acelerada da sociedade. Em virtude disso, o meio rural passou a ser subordinado pela cidade, ao contrário do que ocorria anteriormente, o que resultou em profundas transformações no meio produtivo.

Nesse sentido, a pecuária em nível nacional conheceu um salto produtivo, gerando mais receita e intensificando a sua participação na produção de riquezas no país. Por outro lado, o número de empregos diminuiu e a concentração fundiária expandiu-se nesse setor.