Bovinocultura

O que é Bovinocultura

Definição: é parte da zootecnia que trata particularmente das técnicas para a criação de bovinos. A bovinocultura tem múltiplas finalidades dentro da produção de matérias primas e trabalho. Por exemplo:

– A criação de bovino foi fundamental para o transporte (tração de carros e montaria) no passado;
– Na lavoura (tração de implementos agrícolas, como o arado) e também a utilização do esterco para adubação dos campos agricultáveis.
– No entretenimento (tauromaquia grega e egípcia, a touradas e rodeios).
– Atualmente, além da carne, do leite e do couro, o boi fornece ainda outras matérias primas como os fâneros, ossos e vísceras.
– Como atividade econômica a bovinocultura se insere na pecuária, e como ciência se desenvolve dentro das universidades, institutos de pesquisas e no trabalho dos zootecnista,  que aplicam todo conhecimento na prática.
– A bovinocultura, como arte de criar, demanda conhecimento do bovino e do seu ambiente criatório. Portanto é necessário, conhecer sua reprodução, suas características raciais, seu comportamento e suas necessidades nutricionais.

Bovinocultura Brasileira

O gado bovino está presente no Brasil desde os primeiros anos que se seguiram após a chegada dos portugueses. Os historiadores apontam a pecuária bovina como a principal atividade econômica que iria, ao longo do tempo, desenhar os principais contornos de sua atual extensão territorial.

A criação de gado bovino no Brasil é, de longe, a atividade econômica que ocupa a maior extensão de terras atualmente. A bovinocultura praticada no Brasil se destaca no cenário mundial do agronegócio. é uma das mais fortes do mundo. Os brasileiros são donos do segundo maior rebanho efetivo do mundo, também é um grande exportador de carne no cenário mundial.

No Brasil a bovinocultura se desenvolve e proporciona lucratividade em dois segmentos, são eles: cadeia produtiva da carne e também a cadeia produtiva do leite. A produção de carne e de leite tem sua devida importância pois trata-se de uma atividade com impacto destacado na econômica.

O bom resultado alcançado na produção de bovinos está diretamente ligado ao clima tropical e também à extensão territorial. Outros fatores que influenciam diretamente na produção quantitativa e qualitativa são a tecnologia, capacitação profissional, desenvolvimento de políticas públicas que influenciam todo o processo, controle da sanidade animal e segurança alimentar.

Impactos ambientais causados pela bovinocultura

Por suas dimensões gigantescas, a pecuária é em geral considerada a atividade econômica que, em seu conjunto, impacta de maneira mais significativa o meio ambiente no Brasil. Os principais impactos são:

– Destruição de ecossistemas: uma vez que o esgotamento ou a baixa produtividade de determinadas áreas incentiva a expansão seus domínios sobre biomas, destruindo os habitats naturais de várias espécies. Juntamente com outras atividades agrícolas e madeireiras, a pecuária é apontada como um dos principais vetores de expansão da fronteira agrícola, ameaçando biomas como Cerrado e Amazônia;

– Degradação do solo: resultante do baixo investimento na manutenção de pastagens, podendo inclusive provocar compactação e erosão do solo;

– Poluição dos recursos hídricos: através da carga de nutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio do esterco), hormônios, metais pesados e patógenos carregados para o leito dos rios pela lixiviação do solo.

– Contribuição da bovinocultura para o efeito estufa:

Outro impacto significativo, que vem sendo estudado mais recentemente, no âmbito das pesquisas a respeito das mudanças climáticas, é a emissão de gases do efeito estufa.

Estimativas apontam que, em termos mundiais, o gado bovino é responsável por 9% destes gases, participação superior até mesmo à do setor de transportes. No caso do Brasil, se forem excluídas as emissões de gases do efeito estufa (GEE) geradas pelas queimadas e desmatamentos, a pecuária (considerando gado de corte e de leite) torna-se a maior fonte emissora, com mais de 260 milhões de toneladas de carbono equivalente, que representam mais de 42% do total das emissões de GEE.

Bovinocultura de Leite

A bovinocultura de leite é uma atividade zootécnica que apresenta tradição, por já ser praticada a bastante tempo em todo o mundo e também no Brasil. Época em que aqui no país o leite ainda era produzido de forma arcaica, sem um mercado organizado para promover a comercialização.

Hoje em dia, a cadeia produtiva do leite apresenta grande importância econômica no cenário do agronegócio nacional. O Brasil ocupa a terceira colocação no cenário mundial quando o quesito é produção de leite. Esse sucesso não vem acontecendo por acaso. Já que esse ramo nacional está investindo cada vez mais, seja em Genética Bovina quanto na qualidade da alimentação do gado.
O leite apresenta características nutricionais que o tornam um alimento essencial e bastante consumido, tanto na forma in natura como na forma de subprodutos (queijo, iogurte, doces, etc.) advindos do seu processamento.
A produção de Leite também é responsável por um fator social interessante. Já que pequenos produtores não abandonaram o campo por causa do leite, que é capaz de dar um bom retorno financeiro.

Porém, para a produção leiteira, é necessário um bom gerenciamento e investimento. Isso porque o Gado de Leite é mais sensível que o de Corte. Isso acontece por fatores genéticos, logo seu tratamento deve ser mais específico e cauteloso, e o acompanhamento dos processos reprodutivos devem ser bem precisos, para não parar a produção.

Bovinocultura de Corte

A Bovinocultura de Corte é crucial para a Pecuária Brasileira. Isso porque a maior parte do rebanho nacional é de Gado de corte.

O tratamento do Gado de Corte pode ser feito de forma extensiva ou a partir do confinamento. A Pecuária Extensiva é marcada pela criação solta a pasto e com apenas alguns sais minerais de complemento. Já o Confinamento de Gado de Corte é mais criterioso e marcado pelo controle total da alimentação dos bovinos.